Instagram Whatsapp

Grupo Resgate Samba de Roda – Comunidade do Tombador

Fundado em 2017 o Grupo Resgate Samba de Roda do Tombador tem como missão valorizar e perpetuar essa tradição cultural, que enfrenta desafios para se manter nas comunidades. Com esse objetivo são realizadas apresentações musicais em todo o Litoral Norte e Agreste Baiano marcando presença, desde sua fundação em festivais municipais, estaduais e nacionais.

Nascido no recôncavo baiano o estilo musical é manifestação viva do legado e da resistência do povo negro escravizado no Brasil. As músicas, as danças e os instrumentos remetem à cultura africana referenciando seus orixás e perpetuando a sabedoria herdada do povo de África.

O Conexão Comunidade desenvolveu uma cartilha para esse grupo tão especial, clique aqui e confira!

Compartilhe!

conheça mais

Curso de
mobilização de
recursos

2. A estrutura básica de um projeto

Escrever propostas de projetos para editais é como fazer um plano de viagem. Há uma série de perguntas que você precisa responder para que a experiência seja a melhor possível.  Descubra quais perguntas são essas na videoaula 2 da

Saiba mais
Materiais
desenvolvidos

Projeto Capoeira Vivendo a Arte

O projeto de Capoeira Vivendo a Arte faz o som do berimbau tocar em Arcos (MG), desde agosto de 2013. Fundado como parte do Grupo Negro Arte Capoeira, oferece aulas semanais gratuitas a mais de 50 pessoas da região,

Saiba mais
Materiais
desenvolvidos

ZABELê

O Zabelê é um programa de preservação e valorização das culturas populares Zabelê Cubatão, composto por um conjunto de Projetos e Ações ativas hoje, da Associação Sociocultural e Educacional ZABELÊ, resultante dos 10 anos de trabalho coletivo desenvolvido por artistas,

Saiba mais
Materiais
desenvolvidos

Congadas e Moçambiques

Luta, devoção e resistência nas histórias de ternos de Congo e Moçambique da cidade de Araguari, interior de Minas Gerais. Os depoimentos aqui presentes foram gravados em dezembro de 2020, numa ação do projeto Conexão Comunidade em parceria com

Saiba mais